Arnaldo Antunes

Arnaldo Antunes

 São Paulo, São Paulo, BRA
BandR&BWorld

Biography

2009 - Iê Iê Iê

RELEASE - Arnaldo Antunes

Iê iê iê por Arnaldo Antunes

Iê iê iê é uma palavra que não está no dicionário, mas todo mundo sabe o que significa. Música jovem de uma época, com seu repertório de timbres, trejeitos, colares, carros e cabelos, o termo traduz um estilo que parece ter ficado parado no tempo, como se fosse um nome que se dava ao rock'n roll antes dele se chamar rock'n roll. Uma espécie de proto-rock, que se desdobrou em muitos afluentes de tendências e fusões.

Citado pelos Beatles em She Loves You (yeah yeah yeah) e por Serge Gainsbourg em Chez Les Ye Ye Ye, a expressão caiu na boca dos brasileiros para nomear a música da Jovem Guarda, motivando, na época, entre as mais diversas reações, os ternos versos de Adoniran Barbosa: "Eu gosto dos meninos desse tal de iê iê iê / Porque com eles canta a voz do povo / E eu que já fui uma brasa / Se assoprar eu posso acender de novo".

A decisão de chamar esse disco de IÊ IÊ IÊ veio antes da sua feitura. Eu, que, em geral, decido os títulos só depois dos trabalhos concluídos, sabia dessa vez, desde o início, que queria fazer um disco de iê iê iê, chamado IÊ IÊ IÊ. Um pouco pelo sabor das coisas que vinha compondo, um pouco pelo desejo de voltar a uma sonoridade mais dançante, depois de dois discos (um de estúdio, QUALQUER, e outro ao vivo, também registrado em DVD, AO VIVO NO ESTÚDIO) gravados com uma formação mais leve, apenas com instrumentos de cordas (violões, guitarras, baixo) e piano (substituído no AO VIVO por teclados ou sanfona); sem bateria nem qualquer instrumento de percussão.

Um tanto por temperamento, mas também por herança tropicalista, sempre fiz discos marcados pela diversidade e pela mistura, livres da idéia de "gênero musical". Talvez por isso mesmo (pelo desafio de fazer algo diferente), quis que essa minha volta a um som de banda com bateria, tivesse uma face mais coesa.

Cheguei assim ao desejo de fazer um disco de gênero, com possíveis variações rítmicas, mas mantendo um campo de referências no que podemos chamar de iê iê iê. Não por saudosismo, mas pelo anseio de revitalizar o estilo, numa linguagem mais contemporânea e com letras que tentam incorporar novas questões e pontos de vista a ele.

As referências são muitas: Surf Music, Jovem Guarda, a primeira fase dos Beatles, trilhas dos filmes de faroeste, o twist, Rita Pavone, programas de auditório e todo um repertório da cultura pop que se traduz em canções contagiantes e de apelo direto.

Gosto da idéia de dar a um disco o nome de um gênero. Lembro do Rock'n' Roll, de John Lennon, que me marcou fortemente. Mas, ao passo em que ele abordava uma modalidade musical que continuou existindo, mudando e se atualizando, seu repertório apresentava clássicos, relidos com emoção e verdade na voz de Lennon.

Já IÊ IÊ IÊ não é um álbum de releituras, mas de canções inéditas, a maior parte delas feita recentemente (por mim, com alguns parceiros como Marisa Monte, Carlinhos Brown, Liminha, Paulo Miklos, Branco Mello, Ortinho, Betão Aguiar e Marcelo Jeneci, entre outros), dentro desse estilo, ou ao menos concebidas como algo próximo a ele, nas melodias, timbres, ritmos e vocais.

Para amarrar ainda mais o conceito, compus, com Marisa Monte e Carlinhos Brown, a faixa-título, que abre o disco apresentando um refrão que repete a expressão "iê iê iê".

Gravamos todo o disco com uma mesma banda, formada pelos músicos que já vinham me acompanhando nos trabalhos anteriores --Chico Salem (violão e guitarra), Betão Aguiar (baixo) e Marcelo Jeneci (teclados) -- somados a Edgard Scandurra na guitarra e Curumim na bateria. Todos também responsáveis pelos vocais, que têm presença marcante no disco. Para produzir, convidei Fernando Catatau, cujo trabalho na banda Cidadão Instigado tem muita afinidade com o tipo de sonoridade e timbragem que eu estava buscando. Catatau deu sugestões muito originais para o som e contribuiu inventivamente para os arranjos, além de tocar algumas guitarras e participar dos coros.

Não poderia deixar de mencionar a importância do competente Yuri Kalil, nosso engenheiro de gravação e mixagem, que também soube, em seu estúdio Totem, criar um ambiente onde nos sentíssemos inteiramente em casa. E de outros músicos que participaram especialmente em algumas faixas: Régis Damasceno, Clayton Martin, Lana Beauty e Michele Abu.

Para mim, esse disco tem ainda um gosto de retorno a algo do início de minha carreira, quando formamos os Titãs, que nos dois primeiros anos de existência tinham o nome de "Titãs do Iê Iê".

Arnaldo Antunes
maio de 2009

ps: Já tinha terminado de escrever este release quando soube que Erasmo Carlos está lançando um disco novo, chamado "Rock'n Roll" (como o de John Lennon, que eu cito no texto). Achei uma coincidência simbolicamente interessante o fato dele, que começou sua carreira nos anos 60, dentro do que chamavam de iê iê iê, lançar esse disco na mesma época em que eu, que comecei nos 80, dentro do que chamavam d

Lyrics

Iê iê iê

Written By: Arnaldo Antunes / Marisa Monte / Carlinhos Brown

eu sou mesmo um cara de sorte, cê não vê?
ainda vou gravar um CD
vou tocar no baile funk e no bufê
e vou ganhar meu próprio cachê

úúú inteligente
por que você não fala com a gente?
úúú sensacional
você tem uma família normal
úúú interessante
formiga enxerga tudo gigante
iê iê iê
iê iê iê

eu sou mesmo um cara de sorte, cê não vê?
um dia vou cantar na TV
vou tocar nas FMs e você
ainda vai pagar pra me ver

úúú celebridade
por que você não fica à vontade?
úúú fenomenal
papai noel só vem no natal
úúú professor
quem não entende nada é o senhor
iê iê iê
iê iê iê

ô astronauta
aristocrata
na passarela
na passeata

ô veterano
autoridade
no vaticano
na faculdade

visto meu casaco de couro bang bang
manchado de baton e de sangue
se você pedir eu subo no palanque
e mostro aquele passo de funk

voa Cristo redentor
você que sempre fala de amor
voa Cristo cidadão
que chama todo mundo de irmão
úú Judas carioca
esfarelaram sua paçoca
iê iê iê
iê iê iê

iê iê iê
iê iê iê

© Rosa Celeste Editora (Universal) / Monte Songs (EMI) / Candyall Music (EMI)

BR-RC7-09-00001

Ficha Técnica da Faixa
Arnaldo Antunes: Voz
Edgard Scandurra: Guitarra, violão de 12 cordas e vocais
Betão Aguiar: Baixo
Chico Salém: Violão, guitarra e vocal
Marcelo Jeneci: Órgão, piano, bateria eletrônica, palmas e vocais
Curumin: Bateria, percussão e vocais

A casa é sua

Written By: Arnaldo Antunes / Ortinho

não me falta cadeira
não me falta sofá
só falta você sentada na sala
só falta você estar

não me falta parede
e nela uma porta pra você entrar
não me falta tapete
só falta o seu pé descalço pra pisar

não me falta cama
só falta você deitar
não me falta o sol da manhã
só falta você acordar

pra as janelas se abrirem pra mim
e o vento brincar no quintal
embalando as flores do jardim
balançando as cores no varal

a casa é sua
por que não chega agora?
até o teto tá de ponta-cabeça porque você demora

a casa é sua
por que não chega logo?
nem o prego aguenta mais o peso desse relógio

não me falta banheiro quarto
abajur, sala de jantar
não me falta cozinha
só falta a campainha tocar

não me falta cachorro
uivando só porque você não está
parece até que está pedindo socorro
como tudo aqui nesse lugar

não me falta casa
só falta ela ser um lar
não me falta o tempo que passa
só não dá mais para tanto esperar

para os pássaros voltarem a cantar
e a nuvem desenhar um coração flechado
para o chão voltar a se deitar
e a chuva batucar no telhado

a casa é sua
por que não chega agora?
até o teto tá de ponta-cabeça porque você demora

a casa é sua
por que não chega logo?
nem o prego aguenta mais o peso desse relógio

© Rosa Celeste Editora (Universal)

BR-RC7-09-00002

Ficha Técnica da Faixa
Arnaldo Antunes: Voz
Edgard Scandurra: Guitarra, violão de 12 cordas e vocais
Betão Aguiar: Baixo
Chico Salém: Violão, guitarra e vocal
Marcelo Jeneci: Órgão, piano, bateria eletrônica, palmas e vocais
Curumin: Bateria, percussão e vocais

O que você quiser

Written By: Arnaldo Antunes

meu bem aonde você for eu vou
o que você quiser que eu seja eu sou
meu bem aonde você for eu vou
o que você quiser que eu seja eu sou

o guarda ou o bandido
o fruto proibido
o deus ou o diabo
ou seu advogado

meu bem o que você pedir eu dou
o que você quiser saber i know
meu bem o que você pedir eu dou
o que você quiser saber i know

o fato e o boato
o que foi censurado
temperatura e hora
o que fazer agora

meu bem aonde você for eu vou
o que você quiser que eu seja eu sou

com ar e com fumaça
com coco e com cabaça
no mar ou no chuveiro
com ou sem dinheiro

meu bem o que você pedir eu dou
o que você quiser saber i know
meu bem o que você pedir eu dou
o que você quiser saber i know

sem medo e sem juízo
sem placa e sem aviso
sem pena e sem algema
com ou sem problema

meu bem aonde você for eu vou
o que você quiser que eu seja eu sou
meu bem aonde você for eu vou
o que você quiser que eu seja eu sou

o que você quiser pedir eu dou

© Rosa Celeste Editora (Universal)

BR-RC7-09-00013

Ficha Técnica da Faixa
Arnaldo Antunes: Voz
Edgard Scandurra: Guitarra, violão de 12 cordas e vocais
Betão Aguiar: Baixo
Chico Salém: Violão, guitarra e vocal
Marcelo Jeneci: Órgão, piano, bateria eletrônica, palmas e vocais
Curumin: Bateria, percussão e vocais

Vem cá

Written By: Arnaldo Antunes / Marisa Monte / Carlinhos Brown

vem cá
não quero confusão
vamos lá pra fora
longe do portão
cuidado,
olha meu irmão
ele tá ligado,
aqui não dá não
vem cá,
em casa não dá pra ficar
vamos pra outro lugar
onde a gente possa
se dar, fumar e aumentar o som
gritar, vai ser muito bom
sem hora para acabar
pirar debaixo do edredon
pintar e borrar baton
sem medo de alguém chegar
vem cá, vem cá
vem cá, vamos lá

vem cá,
não quero confusão
vamos lá pra fora
longe do portão
cuidado,
preste atenção
o campo tá minado
aqui não dá não
vem cá,
em casa não da pra ficar...

© Rosa Celeste Editora (Universal) / Monte Songs (EMI) / Candyall Music (EMI)

BR-RC7-09-00004

Ficha Técnica da Faixa
Arnaldo Antunes: Voz
Edgard Scandurra: Guitarra, violão de 12 cordas e vocais
Betão Aguiar: Baixo
Chico Salém: Violão, guitarra e vocal
Marcelo Jeneci: Órgão, piano, bateria eletrônica, palmas e vocais
Curumin: Bateria, percussão e vocais

Longe

Written By: Arnaldo Antunes / Betão Aguiar / Marcelo Jeneci

onde é que eu fui parar?
aonde é esse aqui?
não dá mais pra voltar
por que eu fiquei tão longe?
longe...

onde é esse lugar?
aonde está você?
não pega celular
e a terra está tão longe
longe...

não passa um carro sequer
todo comércio fechou
não tem satélite algum transmitindo notícias de onde eu estou

nenhum email chegou
nem o correio virá
e eu entre quatro paredes sem porta ou janela pro tempo passar

dizem que a vida é assim
cinco sentidos em mim
dentro de um corpo fechado no vácuo de um quarto no espaço sem fim

aonde está você?
por que é que você foi?
não quero te esquecer
mas já fiquei tão longe
longe...

não dá mais pra voltar
e eu nem me despedi
onde é que eu vim parar?
por que eu fiquei tão longe?
longe...

© Rosa Celeste Editora (Universal) / Zapipa Edições / Setembro Ed. (DC.Consultoria)

BR-RC7-09-00005

Ficha Técnica da Faixa
Arnaldo Antunes: Voz
Edgard Scandurra: Guitarra, violão de 12 cordas e vocais
Betão Aguiar: Baixo
Chico Salém: Violão, guitarra e vocal
Marcelo Jeneci: Órgão, piano, bateria eletrônica, palmas e vocais
Curumin: Bateria, percussão e vocais

Invejoso

Written By: Arnaldo Antunes / Liminha

o carro do vizinho é muito mais possante
e aquela mulher dele é tão interessante
por isso ele parece muito mais potente
sua casa foi pintada recentemente

e quando encontra o seu colega de trabalho
só pensa em quanto deve ser o seu salário
queria ter a secretária do patrão
mas sua conta bancária já chegou no chão

na hora do almoço vai pra lanchonete
tomar seu copo dágua e comer um croquete
enquanto imagina aquele rstaurante
aonde os outros devem estar nesse instante

invejoso
querer o que é dos outros é o seu gozo
e fica remoendo até o osso
mas sua fruta só lhe dá caroço

invejoso
o bem alheio é o seu desgosto
queria um palácio suntuoso
mas acabou no fundo desse poço

depois você caminha até a academia
sem automóvel e também sem companhia
queria ter o corpo um pouco mais sarado
como aquele rapaz que malha do seu lado

e se envergonha de sua própria namorada
achando que os amigos vão fazer piada
queria uma mulher daquelas da revista
uma aeromoça, uma recepcionista

e quando chega em casa e liga a tevê
vê tanta gente mais feliz do que você
apaga a luz na cama e antes de dormir
fica pensando o que fazer pra conseguir

o que é dos outros
querer o que é dos outros é o seu gozo
e fica remoendo até o osso
a sua fruta só lhe dá caroço

invejoso
o bem alheio é o seu desgosto
queria um palácio suntuoso
mas acabou no fundo desse poço

© Rosa Celeste Editora (Universal) / Warner Chappell

BR-RC7-09-00006

Ficha Técnica da Faixa
Arnaldo Antunes: Voz
Edgard Scandurra: Guitarra, violão de 12 cordas e vocais
Betão Aguiar: Baixo
Chico Salém: Violão, guitarra e vocal
Marcelo Jeneci: Órgão, piano, bateria eletrônica, palmas e vocais
Curumin: Bateria, percussão e vocais

Envelhecer

Written By: Arnaldo Antunes / Ortinho / Marcelo Jeneci

a coisa mais moderna que existe nessa vida é envelhecer
a barba vai descendo e os cabelos vão caindo pra cabeça aparecer
os filhos vão crescendo e o tempo vai dizendo que agora é pra valer
os outros vão morrendo e a gente aprendendo a esquecer

não quero morrer pois quero ver como será que deve ser envelhecer
eu quero é viver pra ver qual é e dizer venha pra o que vai acontecer

eu quero que o tapete voe
no meio da sala de estar
eu quero que a panela de pressão pressione
e que a pia comece a pingar

eu quero que a sirene soe
e me faça levantar do sofá
eu quero por Rita Pavone
no ringtone do meu celular

eu quero estar no meio do ciclone
pra poder aproveitar
e quando eu esquecer meu próprio nome
que me chamem de velho gagá

pois ser eternamente adolescente nada é mais demodé
com os ralos fios de cabelo sobre a testa que não pára de crescer
não sei porque essa gente vira a cara pro presente e esquece de aprender
que felizmente ou infelizmente sempre o tempo vai correr

não quero morrer pois quero ver como será que deve ser envelhecer
eu quero é viver pra ver qual é e dizer venha pra o que vai acontecer

eu quero que o tapete voe…

© Rosa Celeste Editora (Universal) / Setembro Ed. (DC.Consultoria)

BR-RC7-09-00007

Ficha Técnica da Faixa
Arnaldo Antunes: Voz
Edgard Scandurra: Guitarra, violão de 12 cordas e vocais
Betão Aguiar: Baixo
Chico Salém: Violão, guitarra e vocal
Marcelo Jeneci: Órgão, piano, bateria eletrônica, palmas e vocais
Curumin: Bateria, percussão e vocais

Sua menina

Written By: Arnaldo Antunes / Paulo Miklos / Liminha

você trata muito mal sua menina
um dia ela vai puxar o carro
de sua barba mal feita, seu catarro
um dia ela vai encher o saco

você trata muito mal sua princesa
um dia ela vai virar a mesa
seu olhar só vê o seu umbigo
um dia ela vai ficar comigo

você olha para ela com desprezo
como um déspota destrata uma empregada
das grades do orgulho onde está preso
você maltrata a sua namorada

seu terno engomado, seu perfume
seu tédio, seu remédio digestivo
seu eterno pesadelo de ciúme
um dia desses ela vai te dar motivo

e ficar comigo
e ficar comigo
e ficar comigo sim

vai ficar comigo
vai ficar comigo
vai ficar comigo só

você trata muito mal sua pequena
um dia ela vai sair de cena
e o remorso vai te torturar sem pena
quando a vir ao meu lado no cinema

você trata muito mal o seu amor
não rega com carinho a sua flor
depois de ver o que você já fez
com certeza ela vai sumir de vez

vai sumir comigo
vai fugir comigo
vai sumir comigo sim

e ficar comigo
e ficar comigo
e ficar comigo só

só ficar comigo
vai ficar comigo
vai ficar comigo sim

vai ficar comigo
ficar só comigo
e você vai ficar só

© Rosa Celeste Editora (Universal) / Warner Chappell

BR-RC7-09-00008

Ficha Técnica da Faixa
Arnaldo Antunes: Voz
Edgard Scandurra: Guitarra, violão de 12 cordas e vocais
Betão Aguiar: Baixo
Chico Salém: Violão, guitarra e vocal
Marcelo Jeneci: Órgão, piano, bateria eletrônica, palmas e vocais
Curumin: Bateria, percussão e vocais

Um quilo

Written By: Arnaldo Antunes / Ciro Pessoa

um quilo não é um litro não
um quilo e meio não é um litro e meio
mas tanto faz se agora é hora do recreio
agulha vira palha no palheiro

duas da tarde não é duas da manhã
prefere menta mas aceita hortelã
a loja fica cheia mas a fábrica faliu
fagulha vira fogo no pavio

é que esse corpo humano
é reciclável
amando fica mais amável

porque o céu
não sai de cima
um beijo só
não vai tirar um pedaço

um quilo não é um kilômetro
meio litro não é um litro inteiro
mas se transborda assim é que já está pra lá de cheio
a casca está por dentro do recheio

domingo não é dia de semana
legítima só mesmo havaiana
mas se usa camisola camiseta ou camisinha
também não é da conta da vizinha

é que esse corpo humano
é reciclável
amando fica mais amável

porque o chão
não sai de baixo
um beijo só
não vai tirar um pedaço

© Rosa Celeste Editora (Universal)

BR-RC7-09-00009

Ficha Técnica da Faixa
Arnaldo Antunes: Voz
Edgard Scandurra: Guitarra, violão de 12 cordas e vocais
Betão Aguiar: Baixo
Chico Salém: Violão, guitarra e vocal
Marcelo Jeneci: Órgão, piano, bateria eletrônica, palmas e vocais
Curumin: Bateria, percussão e vocais

Sim ou não

Written By: Arnaldo Antunes / Branco Mello

de todos os assuntos você fala coisas iguais, sempre
tudo que vê não tem nada de mais
cumprimenta todos os caras sempre do mesmo jeito
beija todas as caras com o mesmo beijo
assim não se compromete mas também não se satisfaz
se não me quer por que não me deixa em paz?

pois para mim
ou sim ou não
mais ou menos não

palavras de amor na sua boca parecem banais
beijos sem sabor pra você são normais
bebe um copo dágua do mesmo jeito que bebe vinho
bate com a mesma indiferença com que faz carinho
mas se ficar comigo ou me deixar sozinho tanto faz
melhor ir embora e não olhar pra trás

pois para mim
ou sim ou não
mais ou menos não

© Rosa Celeste Editora (Universal) / Warner Chappell

BR-RC7-09-00010

Ficha Técnica da Faixa
Arnaldo Antunes: Voz
Edgard Scandurra: Guitarra, violão de 12 cordas e vocais
Betão Aguiar: Baixo
Chico Salém: Violão, guitarra e vocal
Marcelo Jeneci: Órgão, piano, bateria eletrônica, palmas e vocais
Curumin: Bateria, percussão e vocais

Meu coração

Written By: Arnaldo Antunes / Ortinho

meu coração
bate sem saber
que meu peito é uma porta
que ninguém vai atender

quem sente
agora está ausente
quem chora
agora está por fora
quem ama
agora está na cama
doente
só corre e nunca chega na frente
se chega é pra dizer: vou embora
sorriso não me deixa contente

e todas as pessoas que falam
pra me consolar
parecem um bocado de bocas
se abrindo e fechando
sem ninguém pra dublar
eu já disse adeus
antes mesmo de alguém me chamar
não sirvo pra quem dá conselho
quebrei o espelho
torci o joelho
não vou mais jogar

meu coração
bate sem saber
que meu peito é uma porta
que ninguém vai atender

© Rosa Celeste Editora (Universal)

BR-RC7-09-00011

Ficha Técnica da Faixa
Arnaldo Antunes: Voz
Edgard Scandurra: Guitarra, violão de 12 cordas e vocais
Betão Aguiar: Baixo
Chico Salém: Violão, guitarra e vocal
Marcelo Jeneci: Órgão, piano, bateria eletrônica, palmas e vocais
Curumin: Bateria, percussão e vocais

Luz acesa

Written By: Arnaldo Antunes / Marcelo Fromer / Sérgio Britto - 1995

Ela está tão só
Eu estou também
Ela é tão bonita
E eu não sou ninguém
Eu á sei de tudo
Vi em seu olhar
Mar eu fico mudo
Quando vou falar

Porque tão linda
Porque tanta beleza
Seja bem vinda
Minha princesa
Mas és tão linda
Por que tanta tristeza
No seu quarto escuro
Talvez eu seja uma luz acesa

Ela é a lua
Vive a brilhar
Eu sou tão pequeno
Diante do luar
Por ela eu espero
Seu amor imploro
Eu sou tão sincero
Quando choro

© Rosa Celeste Editora (Universal) / Ciclope (Warner Chappell)

BR-RC7-09-00012

Ficha Técnica da Faixa
Arnaldo Antunes: Voz
Edgard Scandurra: Guitarra, violão de 12 cordas e vocais
Betão Aguiar: Baixo
Chico Salém: Violão, guitarra e vocal
Marcelo Jeneci: Órgão, piano, bateria eletrônica, palmas e vocais
Curumin: Bateria, percussão e vocais

Discography

2009 - Iê Iê Iê (CD)
2006 - Qualquer (CD)
2004 - Saiba (CD)
2002 - Tribalistas (CD) - Em parceira com Carlinhos Brown e Marisa Monte
2001 - Paradeiro (CD)
2000 - O Corpo (CD)
1998 - Um Som (CD)
1996 - O Silêncio (CD)
1995 - Ninguém (CD)
1993 - Nome (CD)