Augusto Martins

Augusto Martins

BandPop

Deep timbre, broad range, and sophisticated improvisations, Augusto Martins is a carioca who knows how to combine the swing of Rio’s samba jam sessions with classical voice training. He doesn’t take MPB, Brazilian Popular Music, lightly.

Biography

He started on the acoustic guitar, studies piano and keeps the beat for himself on his pandeiro. He perfected his vocal technique with three years of study with the respected teacher and singer Clara Sandroni.
Augusto Martins’ first CD (1997 – Dabliú), has songs immortalized by Cartola, Luiz Melodia e Chico Buarque, and it was noticed by Beth Carvalho, João Nogueira, Velha Guarda da Mangueira, among other great names of the Brazilian music.

In his second CD (2002 – Dabliú) Augusto Martins works throughout the music of a fantastic composer in “Canta Djavan”. As the name of the CD says, he sings the legacy of Djavan, with special participations of João Donato, Leila Pinheiro, Beth Carvalho and Yamandú Costa. He was very complemented by the critics for inventively dealing with such a known artist.

In the third CD, “No Meio da Banda” (Fina Flor – 2006), meaning “in the middle of the band”, he shows up not only as a singer, but also as a composer. This work brings unknown songs from great composers in Brazilian music and from new rising ones: Ivan Lins, João Donato, Fátima Guedes, Moacyr Luz, Eduardo Gudin, Paulo César Pinheiro, Fred Martins, Elisa Lucinda and Mário Lago Filho. His right of passage to a new level as an artist.

Between 2003 and 2006 Augusto Martins was also included in five Brazilian music CDs that were launched in Japan, France and England.

He’s been performing mainly in the Rio-São Paulo circuit, as well as in Belo Horizonte and Brazília, supported by the musical direction of Túlio Feliciano.

Lyrics

No meio da banda

Written By: Elisa Lucinda

Eu desejei uma chuva de luzes pra te abraçar
Criei sóis e dilúvios pra que te esqueças dessa dor
Olha meu amor o mundo dói, só numa banda,
Do outro lado é samba, do outro lado é samba

Eu desejei um jardim de vaga-lumes pra te iluminar
Criei novos costumes pra que não te percas neste teu chorar
Olha meu amor o mundo dói, só numa banda
Do outro lado é samba, do outro lado é samba

Eu desejei um pandeiro e um violão pra você tocar
Criei um soneto, um poema, uma canção pra você cantar
Olha meu amor a vida dói, só numa parte
Do outro lado é arte, do outro lado é arte
Eu desejei um par de palavras pra te agasalhar
Criei peão de menino, uma rede, uma corda pra você brincar
Olha meu amor o mundo dói, só numa banda
Do outro lado é samba, do outro lado é samba

Ela

Written By: Augusto Martins / Gustavo Martins

Acordei pra ela
Totalmente inundado
Ilusões que vem
Num cheiro amendoado

Ela é um manifesto
Beleza intensa solta
Me acalma o verso
E me corrompe o nexo

Um abraço morno no olhar
Ela é tudo que há, ela, não dá pra explicar

Pra abrir a cor
Ela é minha alvorada
Pra espantar a dor
Ela é minha toada

Ela, raro paladar
Ela me vem devagar
Não é proibido sonhar
Depressa que amor não sabe esperar

Ela, não sei o que há
Nessa ninguém vai ganhar
Não adianta avisar
Dos riscos, rasgos e visgos de amar

Trem

Written By: Augusto Martins / Paulinho Athayde

Outro dia, sai do Méier, peguei um trem até Japeri.
Lá saltei e um ônibus de “dois conto” me levou a Paty

Eu só sabia como ia, eu não lembrava mais não. Há muito tempo que eu não andava de trem.
Eu só sabia como ia, eu não lembrava mais não. Que a tristeza anda lá dentro também.
Eu só sabia como ia, eu não lembrava mais não. Há muito tempo que eu não andava de trem.
Eu só sabia como ia, eu não lembrava mais não. Que a tristeza anda lá dentro também.

Sacode um lado, sacode o outro. Sacode um resto de esperança quem tem.
E vai chegar que nem biscoito, de fim de feira, quebradinho no trem.

Quando eu olhava, eu tudo via. E tanta coisa que me vinha e balançava e já não via ninguém.
E do meu lado, um passageiro de olhar tão ligeiro, voava alto, andava mais que o trem.
Quando eu olhava, eu tudo via. E tanta coisa que me vinha e balançava e já não via ninguém.
E do meu lado, um passageiro de olhar tão ligeiro, voava alto, andava mais que o trem.

Todo dia, dia de lida, segue na vida, confiança quem tem
De voltar no fim do dia no amassado sambalanço do trem

É tudo junto, amontoado e cada um pro seu lado, vai chacoalhando com sua solidão
No parador, no direto, baldeação no concreto e cada sonho vai enchendo o vagão
É tudo junto, amontoado e cada um pro seu lado, vai chacoalhando com sua solidão
No parador, no direto, baldeação no concreto e cada sonho vai enchendo o vagão

Discography

Augusto Martins (1997 - Dabliú)
Augusto Martins Canta Djavan (2002 - Dabliú)
Augusto Martins No meio da Banda (2006 - Fina Flor)

Set List

1. Ela (Augusto Martins/Gustavo Martins)
2. No meio da banda (Elisa Lucinda)
3. Carta de Adeus (Ivan Lins e P. C. Pinheiro)
4. Água de beber (Tom Jobim e Vinicius de Moraes)
5. Bolero dos Anjos (João Donato e Francisco Blanco)
6. Sublime (Eduardo Gudin e Fátima Guedes)
7. Lagamar (Augusto Martins e Israel Meirelles)
8. Na cadência do samba (Ataulfo Alves/Paulo Gesta)
9. Cavaleiro das marés (Moacyr Luz e Paulo César Pinheiro)
10. Helena (Israel Meirelles e Augusto Martins)
11. Boa tarde, amor (Elisa Lucinda)
12. A lei (Fred Martins)
13. Azul (Djavan)
14. Otto`eu tô (Mário Lago Filho)
15. Trem (Paulinho Athayde e Augusto Martins)
16. Capim (Djavan)
17. Beiral (Djavan)
18. Súplica (João Nogueira e Paulo César Pinheiro)
19. Música sim (Paulo Malaguti)