Dao e a caravanablack
Gig Seeker Pro

Dao e a caravanablack

Salvador, Bahia, Brazil | INDIE

Salvador, Bahia, Brazil | INDIE
Band World R&B

Calendar

This band hasn't logged any future gigs

This band hasn't logged any past gigs

Music

Press


O negro segura a cabeça com a mão e chora/ E chora, sentindo a falta do rei”. Eram 0h40 de segunda (20) para terça-feira (21), quando os versos da música “Brilho de beleza” ecoaram pela passarela do Campo Grande e deram início ao desfile do trio Quilombola Soul. O cantor Dão e a Caravanablack levaram a mistura de black music, soul, funk e reggae para o Circuito Osmar, com as participações da cantora norte-americana Stace Aamon e o DJ francês Rémy Kolpa Kopoul.

Este é o segundo ano que o Quilombola Soul desfila no Carnaval. A primeira vez foi em 2010, no circuito Dodô (Barra-Ondina), quando Dão tocou ao lado de DJ Bandido e Gerson King Combo, um dos ícones da soul music no Brasil. Neste ano, os convidados contribuíram para o repertório cheio de referências deste mesmo estilo. Músicas do próximo disco do cantor baiano, como “Café do bom” e “Ao som da batida do Ilê Aiyê”, e releituras de Roberto Carlos (Todos estão surdos), Tim Maia (Réu confesso) e Nelson Cavaquinho (Juízo final) animaram os foliões que seguiram atrás do trio.

O Quilombola Soul faz parte do programa Carnaval Pipoca, desenvolvido pela Secretaria de Cultura da Bahia (SecultBa). “O trio pipoca promove a diversidade, no qual os estilos de músicas podem se encontrar de forma democrática e os artistas locais ganham visibilidade. Pular carnaval sem cordas é uma grande alegria. Tenho certeza que, em um futuro próximo, o nosso carnaval terá as ruas livres para os foliões”, ressalta o cantor Dão.

Este também é o desejo de Lílian do Nascimento, baiana criada no Rio de Janeiro e que não perde a folia de Momo por nada. “Nem todo mundo tem condições de pagar por um abadá. A melhor coisa que inventaram foi a pipoca. O folião tem que ter espaço e merece ser respeitado”, enfatiza.

Parceria na avenida – A parceria musical entre Dão e os convidados do trio não aconteceu ao acaso. A nova-iorquina Stacie Aamon já esteve em Salvador duas vezes e, com uma música também influenciada pela soul music, surgiu uma identificação instantânea entre os dois. A parceria já vem de antes do carnaval, com a participação da cantora nos shows de Dão e a Caravanablack.

Já o DJ Rémy Kolpa Kopoul recebeu o convite para participar do circuito por ser um grande admirador da música brasileira e baiana, além de já ter conhecido o trabalho do cantor baiano. “Daí fechamos mais um ciclo bom de amizades e intercâmbio cultural”, conclui Dão. - Plug Cultura


Após balançar o Centro Histórico em janeiro com dois shows lotados, e de participar da Noite da Beleza Negra, Dão retorna ao palco da Varanda do Sesi, no Rio Vermelho, reestreando temporada que fez sucesso em Salvador no primeiro semestre de 2011.

Acompanhado da Caravanablack, Dão toca todos os sábados dos meses de fevereiro e março, a partir das 21h30, com ingressos a R$20. O primeiro show será neste sábado (4).

Dão também se prepara para lançar o seu segundo clipe, gravado durante sua viagem à Angola em julho de 2011, patrocinado pela Funceb e produzido pelo Coletivo GÊUM. Suas cançõestem foco na black music, permeando o rock n’ roll, soul, funk, samba, reggae e blues.

Acompanhando Dão, tem a Caravanablack formada por Bruno Raf na guitarra, Almir Azevedo no baixo, Robert Mão de Ouro na bateria, Paulinho Santana nos teclados, Billy Paul na percussão, Mateus Aleluia no trompete, Bruno Nery no trombone e Vinícius Freitas no sax. - Ibahia


Dão (foto por André Oliveira)
Dão e a Caravanablack no Pelourinho

Largo Tereza Batista – Pelourinho, Centro Histórico
Data: 19/11/2011, sab, 21h
Entrada Franca
Dão e a Caravanablack voltam a se apresentar no Pelourinho, durante o AFRO XXI, Encontro Ibero-americano do Ano Internacional dos Afrodescendentes. O show acontece no dia 19 de novembro, no Largo Tereza Batista. A apresentação é resultado das empreitadas do músico fora do Brasil [...] - Guia do Ocio


Acompanhado da Caravanablack, Dão estreia nova temporada entre os meses de fevereiro e março. No repertório, o cantor explora vertentes da black music, além de suas referências musicais como Tim Maia, Cassiano e Gilberto Gil, o que pode ser conferido nas faixas do seu primeiro disco, “Para Embelezar a Noite”, e nas novas músicas de sua autoria: “Tô na Sua”, “Som da Gafieira” e “Café do Bom”, do novo disco "Nobre Balanço" que ainda será lançado. - Bahiatursa


Abertura do Carnaval do Pelô atraiu uma multidão ao Largo do Pelourinho na noite de ontem (03).
O Pelourinho deu início ontem (03) ao Carnaval no Centro Histórico com um evento inédito de abertura dos festejos. O lançamento da folia contou com a inauguração da exposição “Percussionistas, Percursos e Percussões”, além do apoteótico show “Batuque no Pelô” que reuniu um total de 76 percussionistas em homenagem aos ícones baianos Mestre Prego e Neguinho do Samba.

A maior festa de rua do planeta foi declarada aberta no Pelourinho por um cortejo dos Filhos de Gandhy e com a presença do Secretário de Cultura, Albino Rubim, que representava o Governador.
Para quem perdeu a agitação da grande noite de abertura, hoje (04), a partir das 16h, há mais atrações no Largo do Pelourinho. Quem se apresenta é uma conhecida do axé music, Sarajane, e Aloísio Menezes. Nos demais largos, haverá também o axé de Missinho, o hip hop de Nova Saga, o soul e funk de Dão e Caravana Black, e todo o reggae de Semente da Paz. Pelas ruas do Centro Histórico, haverá performances, bonecões, bandinhas – como o Frevo da Bahia e a Bandinha do Grimaldo. - Pelourinho Cultural - noticias 04/03/2011


Abertura do Carnaval do Pelô atraiu uma multidão ao Largo do Pelourinho na noite de ontem (03).
O Pelourinho deu início ontem (03) ao Carnaval no Centro Histórico com um evento inédito de abertura dos festejos. O lançamento da folia contou com a inauguração da exposição “Percussionistas, Percursos e Percussões”, além do apoteótico show “Batuque no Pelô” que reuniu um total de 76 percussionistas em homenagem aos ícones baianos Mestre Prego e Neguinho do Samba.

A maior festa de rua do planeta foi declarada aberta no Pelourinho por um cortejo dos Filhos de Gandhy e com a presença do Secretário de Cultura, Albino Rubim, que representava o Governador.
Para quem perdeu a agitação da grande noite de abertura, hoje (04), a partir das 16h, há mais atrações no Largo do Pelourinho. Quem se apresenta é uma conhecida do axé music, Sarajane, e Aloísio Menezes. Nos demais largos, haverá também o axé de Missinho, o hip hop de Nova Saga, o soul e funk de Dão e Caravana Black, e todo o reggae de Semente da Paz. Pelas ruas do Centro Histórico, haverá performances, bonecões, bandinhas – como o Frevo da Bahia e a Bandinha do Grimaldo. - Pelourinho Cultural - noticias 04/03/2011


O carnaval acabou mas Dão e a Caravanablack continuam na ativa. Iniciando temporada no teatro do SESI Rio Vermelho, Dão apresenta seu show "Pós Carnaval", onde continua mostrando seu balanço, que contagia a todos quando o som invade as caixas sonoras da pista de dança. Em meio aos shows, o cantor a cada dia vem aprimorando seu repertório com canções do seu novo disco “Trampo de Samba”, que dentro em breve sairá dos estúdios de gravação para enfim ser divido com o público que o acompanha e faz do seu trabalho referência da atual música baiana. As batidas ecoam ao processo, que desencadeia na dança. Por isso, fazer parte desse universo é sempre uma grande pedida. - ibahia.com 27/04/2011


No dia 23 de janeiro acontece na Concha Acústica do TCA uma noite de balanço. O cantor Dão, acompanhado da sua banda Caravanablack, fará a abertura do show do pernambucano Lenine, na primeira edição de 2011 do Projeto MPB Petrobrás.

Dão a cada show vem mostrando sua experiência musical, apresentando um repertório que permeia o rock n’ roll, soul, funk, samba, reggae e blues. Para o dia 23 o cantor prepara o seu setlist recheado de canções balançadas e com muito groove.

Serão mostradas músicas como “Blackmúsica”, “Saravaquelé”, músicas do seu primeiro disco, Para embelezar a noite, e a faixa do seu clipe “Não vá dizer que vai ficar de fora desse samba”, canções que refletem as experiências e principais influências musicais do artista. Outras faixas oferecerão ao público uma prévia do que virá no próximo CD do cantor, Trampo de Samba, com lançamento previsto para este ano.

Conhecido em outros circuitos de Salvador, fazer show na Concha é uma oportunidade que Dão e sua banda têm de mostrar seu trabalho para um público mais abrangente.

“Fazer a abertura do show de Lenine está sendo, para mim, uma grande honra. Não é sempre que temos a oportunidade de dividir o mesmo palco com um mestre da música brasileira”, diz o cantor, que também se prepara para a gravação do seu novo clipe, e apresentações em Luanda, capital de Angola.

Lenine + Dão e a Caravanablack é uma realização da Caderno 2 Produções, patrocinado pela Petrobrás.

SERVIÇO

O Que: Show Dão e banda Caravanablack
Onde: Concha Acústica do TCA
Quando: 23 de janeiro
- Blog da Cultura Blog da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia. janeiro 20, 2011 por plugcultura


O cantor é um dos grandes representantes da musicalidade negra.
Sábado (16) acontece mais uma edição do projeto Dão e a Caravanablack, na Varanda do SESI, Jequitibar Café, no Rio Vermelho, à partir das 21h30 e com ingresso a R$15. Seu show mostra balanço, energia e musicalidade black.

O cantor e compositor baiano Dão, é um dos grandes representantes da essência da musicalidade negra, cheia de swing e originalidade, com canções influenciadas pelo soul, funk, reggae, blues, samba duro e rock’ n roll.

No repertório ele traz uma amostra de “Trampo de Samba”, seu proxímo CD, que em breve estará disponível para o público. "Para embelezar a noite”, além de canções que marcaram a música baiana e brasileira, e suas maiores influências estão no repertório. - g1.globo.com/bahia/noticia 15/04/2011 21h29 - Atualizado em 15/04/2011 21h29


Os amantes da black music têm a oportunidade de curtir hoje um show com artistas de diferentes estéticas, que celebram o som negro que vem encantando gerações em todo o mundo.

Trata-se do ensaio do trio Quilombolasoul, que pode ser conferido, com entrada franca, às 20 horas, na Praça Pedro Archanjo, no Pelourinho.

O evento está cheio de atrações: Dão e a Caravanablack, além do Dj Bandido, de Salvador, dividem o palco com Gerson King Combo, do Rio de Janeiro, e o Samba Chula de São Braz, do distrito homônimo de Santo Amaro da Purificação.

“Será uma prévia do que nós mostraremos no Carnaval e um encontro de gerações”, afirma o cantor e compositor Dão, um dos representantes da nova geração da black music da cena musical baiana. O artista sinaliza para a importância de se mostrar a diversidade musical que existe na cidade.

No repertório do show, soul, blues, reggae e samba, dialogando também com o rock. Há cinco anos se apresentando com a Caravanablack, Dão, que foi criado com os jovens da Caixa D\'Água e do Iapi, afirma que desde que começou a compor percebeu sua inclinação pela soul music.

No show de hoje ele vai apresentar ao público canções do álbum Para Embelezar a Noite, lançado no ano passado. As canções autorais, como Não Vai Dizer que Vai ficar de Fora deste Samba, Saravá Quelé (em homenagem a Clementina de Jesus), Quilombolasoul e Black Music (homenagem a James Blown) serão apresentadas, assim como as releituras de músicas consagradas de Tim Maia, Adailton Poesia e Erasmo e Roberto Carlos.

O DJ Bandido vai fazer intervenções na noite, com a linguagem de hip-hop.
Tradição oral
Outra atração do ensaio do trio Quilombolasoul hoje, que também marcará presença no Carnaval, é o carioca Gerson King Combo, um dos ícones da black music nacional, que apresentará trabalho que promove paz e elevação da cultura negra.

O grupo Samba Chula de São Braz, sob a liderança de Fernando de Santana, vai mostrar seu trabalho de resgate da tradição oral do samba de roda.

O grupo, que em novembro de 2009 lançou seu primeiro CD, intitulado Quando Dou Minha Risada, Há Há e que foi contemplado pelo Prêmio Pixinguinha 2008, reúne artistas veteranos do samba baiano.

Todos as atrações participam do Trio Quilombolasoul, na terçafeira de Carnaval, no circuito Dodô (Barra/ Ondina). Dão diz que será a primeira vez que a turma vai mostrar a black música para foliões.

“E isso é muito bom. Estou muito feliz porque é legal ter a axé music, mas também o rock, o blues, o soul, etc.” A Caravanablack é integrada por Almir Azevedo (contrabaixo), Márcio Pereira e Túlio (guitarra), Tadeu Santoro (teclado), Lelinho (bateria), Dão e Nancy Viegas (vocal), além de Dani e Manoel Soares (percussão), Ito (saxofone), Sarutto (trompete), Vanilson (trombone) e Ito (saxofone).

A festa está aberta para todas as tribos.
“Será uma prévia do que mostraremos no Carnaval”

Eduarda Uzêda - Jornal A Tarde - 02/07/2010


Faz mais de um ano que Dão queria lançar Para Embelezar a Noite. Finalmente, vem aí o dia 18, um sábado que o cantor e compositor reservou para balançar o Largo de Pedro Archanjo (Pelourinho) com um show gratuito.

Anote o horário: 21 horas.

Enquanto o “incentivo” para o lançamento não pintava, o rapaz não se se fez de rogado. Seguiu à risca o ditado que manda fazer do limão uma limonada e se jogou na noite de Salvador para azeitar o repertório, têteagrave;-tête com o público.

Uma sugestão daqui, um novo arranjo de lá, e cá está o artista com o primeiro CD de uma carreira que começou há cerca de cinco anos, quando ele decidiu sair de trás do balcão das lojas de discos para viver de sua própria música.

“Fui estimulado pelo contato que tinha com artistas e produtores.

Mas, apesar de a maioria das pessoas serem do rock, senti que eu queria fazer um trabalho ligado à black music, misturada com a música de raiz percussiva de Salvador”, recorda o cantor, que ofereceu um aperitivo em 2006, com o EP Ligue o Som e Curta o Brilho.

A escolha parece ter sido acertada. Dão chega com um disco bem-acabado, do conteúdo à embalagem. A produção é de Antonio Uzêda e o encarte teve a colaboração do artista gráfico Cau Gomez e da fotógrafa Rosângela Guedes – aos três, Dão faz questão de registrar um agradecimento especial.

TANTO QUERER – O artista mistura variados ingredientes da música de raiz afro. Soul, reggae e samba dialogam no trabalho, que ainda conta com uma pitada de latinidade, como no caso da própria Para Embelezar a Noite, que abre os trabalhos.

“A letra fala de quando você está esperando aquela pessoa que tanto quer. Era a música que estava faltando”, pontua Dão, que assina a autoria de dez das 12 faixas.

Das duas que não são de sua lavra, uma é Brilho de Beleza (“O negro segura a cabeça com a mão e chora”), clássico do repertório do Muzenza composto por Nego Tenga. Nas mãos de Dão, a canção ganha no baixo e na guitarra, acentuando uma pegada rocker.

Além do rock, o cantor também se mostra à vontade num flerte com o xote. É o que está registrado em Um Simples Dizer (Paulo Costa), que conta com a preciosa participação de Cicinho de Assis no acordeom. “Quando a produção sugeriu, confesso que estranhei. Mas a gente aprende a experimentar. Foi numa sentada só”, comemora o artista, valorizando o privilégio de dividir a bola com um dos músicos de Gilberto Gil, uma de suas fontes.

O disco lembra outras personalidades que influenciam o trabalho de Dão. A instrumental Blackmúsica é uma homenagem a James Brown e, de quebra, faz uma referência a Baixa do Sapateiro, de Ary Barroso; Ao Poeta Castro Alves reverencia o escritor abolicionista; Saudade Daquela B atucada cita Bicho Feroz, de Bezerra da Silva; Sarava quelé enaltece Clementina de Jesus.

“Queria que esse trabalho também tivesse um cunho social.

Quando abordam a negritude, enfatizam muito a parte triste da realidade. É claro que o debate continua sendo necessário. Mas eu optei por falar de pessoas que contribuíram positivamente, com sua arte, para nos dar visibilidade”, justifica o cantor.

Uma dose de protesto – e celebração da vida – está no reggae Eu Canto, fruto da parceria de Dão com Vinícius Mauadié. No mais, Dão fala de amor. A suingada Pra te Querer e a romântica Eu Vou são as principais representantes do tema mais decantado de todos os tempos. Não Vai Dizer que vai ficar de Fora Desse Samba também é um convite a uma farra musical a dois.

INTERNACIONAL – A música de Dão já o levou a pisar em outros territórios. Em outubro do ano passado, o cantor mostrou Para Embelezar a Noite nos Estados Unidos, onde ministrou palestrashow sobre música negra urbana na University of Delaware.

Aqui, ele já tem participação confirmada na programação do Ano da França no Brasil. Ele fará parte do Expo Clam, projeto coordenado por Andrew Okoroafor, diretor da Clam Magazine, revista cult da cena alternativa par isiense.

O projeto reúne trabalhos de videomarkers, fotógrafos e designers franceses, além de africanos e brasileiros que vivem na França. O DJ francês Gregoire de Villanova também participa da programação, que vai percorrer Salvador, Brasília e São Paulo entre outubro e novembro.

Antes disso, Dão deve lançar o clipe de Não Vá Dizer que Vai Ficar de Fora Desse Samba, já em fase de gravação, que terá direção de João Guerra. “Na verdade eu sou um ator”, brinca, parafraseando o conterrâneo Raul Seixas, que dizia algo como “Sou tão bom ator que finjo ser compositor e cantor e todo mundo acredita”.

Não é o caso de Dão, claro.

DANIELA CASTRO
 dcastro@grupoatarde.com.br  - Jornal A Tarde - 03/30/2009


A gente sabe quando alguém canta de verdade e com verdade. É assim, cheio de alma, o primeiro CD do cantor e compositor Dão, Para embelezar a noite. Há algum tempo, desde que lançou o EP Ligue o som e curta o brilho, em 2004, ele já instiga a cidade com uma sonoridade em que a tradição musical negra ganha frescor, sem pastiche ou esquematismos. E é o que se ouve agora em Quilombolasoul, Saudade daquela batucada e a endiabrada e instrumental Blackmusica , lisergia pura que atualiza o rhythm’n’blues dos anos 60-70. Também reinventa a tradição dos blocos afros com Brilho de beleza, num arranjo incrível, que simboliza a “força de negão” em vários gêneros. Dão segura a cabeça na mão e canta: inteiro, numa alegria genuína e libertária.

MARCOS DIAS - Revista Muito 05.04.2009.


Since high school, Bahian Anderson Costa—better known as Dão, the nickname he received from his older brother—used to ‘play tunes.’ When a classmate was shot accidentally and became paraplegic, his shows at Theater Anisio Teixera gained a new dimension: they became means to obtain funds to assist his friend.

“I was able to gather funds to pay for his medicine, but the most important thing was that I was able to convince him to leave home to attend the shows, even if he came in his wheelchair. I was happy to see he kept his wonderful smile.” After this, Dão was invited for a two-month series of presentations at the Goethe Institut—Cultural Institute Brazil-Germany (Icba).

This is how the professionalization of his work started, always receiving praises such as, “good voice; excellent ability to play the guitar.” He decided to take his work to the next level. This month, he had a very well-received pocket-show at the Theater Café Zelia Gattai.

Discrimination

Dao’s life is divided between his work in a music store, music classes, rehearsals, and compositions. One of his songs, To the Poet Castro Alves (Ao Poeta Castro Alves), reflects upon racial discrimination. In a section of the song he notes, “He lamented humans/treated as merchandise/What kind of ship is that, which does not have love?/ What kind of ship is that, which only causes pain?? What kind of ship is that, which has no beauty?/ What kind of ship is that, which only brings sadness?”

Social issues are constant in his work as a composer. Nostalgia over That Sound (Saudade daquela Batucada), for example, is critical of the sound of gun machines, so common in the street where he grew up. “I am critical of that kind of percussion that brings sadness, violence, death. I rather listen to (and play) the sounds of peace, inspired by Noel Rosa, or Cartola.” In his song I Sing (Eu Canto), he searches for the beauty that surrounds him, he searchers for honest and pure individuals, which he believes are more and more rare to find. “The solution is to sing and laugh,’ he tells us.




Happiness

Dao’s intention is to develop a unique re-reading of the soul music of the 60s and 70s. “During that time, the tunes of the guitar and the bass were essential; those pure, classical sounds are lost now. I find those sounds appealing; at that time, people left home to dance Lady Zu or Tim Maia’s music, which was full of that essence.”

He emphasizes that, even when black music discusses difficult or sad issues, it is joyful. “We cannot lose our happiness, our struggle; it is in our blood.”

With 27 years old, he is not in a hurry to produce his first CD. He prefers to mature his work and develop his audience first. For now, the goal is to sing a great deal and to have many shows. He does this accompanied by outstanding musicians: Marcio Pereira (bass); Almir Azevedo (bass); Carlos Careca (drums); and Bruno (keyboard).

- Caderno 2, A Tarde (Salvador) Wednesday October 22, 2002 By Roberto Pires


Beautifying Everything

We know when someone sings the truth and does it truthfully. That is how the first CD of singer and composer Dão, To Beautify the Night, is: full of soul. For quite some time, since he released his LP, Play the Music and Enjoy Its Shine, in 2004, he has been instigating the city with a sound where the tradition of black music acquires freshness, without falsity or schematization of any kind. That same approach is what we hear now in Quilombola Soul, Saudade Daquela Batucada, and the bewitching instrumental music Blackmusica, a real trip that makes current the rhythm and blues of the 60s and 70s. Dão also reinvents the tradition of black carnival groups with Shine and Beauty in an incredible musical arrangement that symbolizes “black people’s force” in many genres. Dão sings with integrity, and with genuine and free happiness. - Muito Magazine (Salvador) Sunday April 5, 2009 By Marcos Dias


Bahian singer Dão releases the CD To Beautify the Night (Para Embelezar a Noite) tonight as 19:00 in a cocktail at Tom do Sabor (Rio Vermelho). Immediately after, at 21:00 pm, he will have a show introducing his new material.

According to the singer, he has accomplished his mission. He hopes to transmit all this positive energy to the public. “This is something that needs to be commemorated! Making a CD with one’s own funds is much more difficult than it appears to be. But I did it!,” he stresses.

For this show, Dão prepared music to dance and enjoy from his first CD, in addition to his own versions (all played with a soulful sound) of artists such as Waldick Soriano and Tim Maia.

To Beautify the Night gives homage to great national and international musicians, such as Bob Marley, James Brown, Ary Barroso, Bezerra da Silva, and Brazilian poet Castro Alves. In terms of his musical inspiration, his work is heavily influenced by soul, funk, samba, reggae, blues, and rock and roll. - Caderno 2, A Tarde (Salvador), Tuesday May 12, 2009 By Rafael Tiago Nunes


The Bahian singer and composer Dão brings one more pearl from his musical harvest of quality, an excellent self-made work. The CD To Beautify the Night (Para Embelezar a Noite), offers homage to great national and international musicians and poets, such as poet Castro Alves. His influences are many, including, soul, funk, samba, reggae, blues, and rock, as evident signs of his negritude, of his black identity. His work also has a strong Latin flavor, giving rhythm and dancing quality to his compositions, in addition to a highly expressive baianidade. He does this by alluding to Afro-Brazilian carnival groups and Afro-Brazilian religions. Dão’s work has an evident good taste, and he is accompanied by competent musicians. It is essential to call attention to the batucada (Brazilian sound), which is dynamic, harmonious, vibrant and precise. The work of talented Dão does not only offer a good repertoire, intelligent lyrics, creative musical arrangements, and a very personal vocal timbre. In addition to that, and without omission, he addresses social issues, particularly violence, and calls: “Weapons are useless.” What is not useless at all is to listen to his work, a present from the gods. - A Tarde Online (Salvador), June 25, 2009 By Jaime Sodré, PhD (History Professor at UNEB and CEFET, S


My name is Anderson de Sousa Costa; my artistic name is Dao. I live at Rua Joao Ponde in Salvador, Bahia. I am a musician and composer.
What you do affects people? Generally, composers try to affect the largest number of people, and in my case, my goal is to affect them positively. I realize I have achieved this when people come to talk to me after a show to tell me they enjoyed a particular song or the way the song was interpreted. I have complete control over my work; I sing my feelings, and I sing my dreams and searches always wishing to learn more. For the world, I believe my work has relevance since I talk about the concerns I had since I was a child. For instance, in Saudade Daquela Batucada I make an analogy between the sound of a gun machine and percussion sounds. I say that “Weapons are useless.” I cannot stand weapons or wars, and as a result, I am pleased that the Bush era ended.
The economic crisis affects your world? Yes, how? Certainly, the economic crisis affects my world. As a result of that, unemployment is rising and job opportunities decrease. Generally, enterprises that work with cultural projects leave culture behind because they lose earning opportunities. As a result, all artists lose.
Where is your world going? My world is going to the world. Every day I am meeting people from different states and countries who admire my work and invite to make shows. I finished shows in Newark in the state of Delaware (USA), invited by anthropologist Carla Guerrón, organizer of the project “Saberes Alternativos,” where I gave a lecture/show about the black urban music of my city, Salvador. This, without a doubt, left me very proud and happy. - Clam Magazine No. 19 (NY 2009)


After more than a year oiling the wheels of his repertoire in Salvador, Dão releases his first CD, “To Beautify the Night” (Para Embelezar a Noite) on April 18, 2009.

It has been more than a year since Dão wanted to release his CD. Finally, he will do so on Saturday April 18, 2009, a day when the singer and composer will make the Largo de Pedro Archanjo (Pelourinho) dance with a free show. The show ill be at 21:00 pm.
Even though he did not receive the monetary “incentive” to release the CD, he still did it. He followed the advice that indicates that when live gives you lemons, you should make lemonade. Thus, he played his music throughout Salvador to further develop his repertoire and interact with the public.
A suggestion from here, a new arrangement from there, and the artist has the first CD of a career that started close to five years ago, when he decided to leave the CD stores where he worked and live of his own music.

“I was stimulated by the contact I had with artists and producers. However, in spite of the fact that the majority of the people with whom I interacted worked with rock, I felt that I needed to make my work around black music, and mix it with the percussive root of Salvador,” remembers the artist. He had already offered a taste of his work in the EP Ligue o Som e Curta o Brilho in 2006.
It seems that the choice has been correct. Dão’s CD is well done, from its content to its cover. The production was done by Antonio Uzêda, the cover was made by graphic artist Cau Gomez and photographer Rosângela Guedes –Dão would like to offer special thanks to them.
The artist mixes various ingredients from music with Afro roots, including soul, reggae, and samba, with a sense of Latinidade, as it is the case of “To Beautify the Night,” which opens the CD.

“The lyrics talks about the times when you are waiting for that person that you love so much. It is the song that was missing,” notes Dão, who wrote ten of the twelve songs in the CD.
Out of the two songs that he did not compose, one of them is Brilho de Beleza, a classic song of the group Muzenza, and composed by Nego Tenga. In Dão’s hands, the song has a rock beat, with sounds from the bass and guitar.
In addition to rock, the singer also experiments with xote. This is registered in Um Simples Dizer (Paulo Costa), with the beautiful participation of Cicinho de Assis in the accordion. “When the production suggested that we did this, I confess I found it strange. But one needs to learn to experiment. We did it only in one setting,” remembers the artist, who also values the privilege of playing with one of Gilberto Gil’s musicians (who is also one of his sources
The CD also offers homage to other artists who influence Dão’s work, including the instrumental song Blackmúsica in honor of James Brown. He also pays homage to Ary Barroso; the poet Castro Alves and Clementina de Jesus.

“I wanted to add a social aspect to this work. When people talk about blackness, they emphasize the sad part of reality too much. It is clear that the debate continues to take place. But I decided to talk about the people who contributed positively, with their art, to give visibility to black people,” notes the singer.
A dose of protest and a celebration of live are included in the reggae Eu Canto, fruit of his partnernship with Vinícius Mauadié. In his other work, Dão talks about love. Pra te Querer and the romantic song Eu Vou are the main representatives of the most decanted theme of all times. The song Não Vai Dizer que vai ficar de Fora Desse Samba is also an invitation to a musical dance for two.
Dão’s music has also been in other locations. In October of last year, the singer showed To Beautify the Night in the United States, where he presented a lecture/concert about black urban music at the University of Delaware.
Here, he has confirmed participation for the Year of France in Brazil. He will be a part of the project Expo Clam, coordinated by Andrew Okoroafor, director of Clam Magazine, a cult magazine of Paris’ alternative scene. The project includes the work of French, African, and Brazilian filmmakers, photographers and designers. The French DJ Gregoire de Villanova will also participate in these events, which will take place in Salvador, Brasília and São Paulo between October and November.
In addition, Dão will release the videoclip Não Vá Dizer que Vai Ficar de Fora Desse Samba, under João Guerra’s direction. “The truth is that I am an actor,” the singer jokes, paraphrasing Bahian Raul Seixas, who used to say something like, “I am such a good actor that I pretend to be composer and singer and everyone believes it.”
Of course, this is not the case of Dão.
- Black music with an Afro-Bahian root


Discography

Para Embelezar a Noite - 2009
EP Ligue o Some Curta o Brilho - 2006

Photos

Bio

Dao is an artist who represents the Black Music from Brazil. Born in Bahia, Dao carries with him a legacy of great musicians and rhythms that influenced his musical style. Samba, Funk, Soul, Pop, Reggae, and Rock are the rhythms that most influenced this artist. The album “Para Embelezar a Noite”, To Beautify the Night, released in 2009, can definitely show how this great singer mixed those rhythms in a new beat. Dão`s songs have been attracting and seducing music lovers throughout the world. Recently he and Caravanablack have been on tour of 9 shows in 9 different cities in the United Kingdom. As a singer, songwriter, and dancer, Dão has been showing the new face of music from Bahia. In 2008, Dão participated in a series of important events related to the history and music from Bahia. Still in 2008, He held a workshop about Brazilian culture and his process of creation in the University of Delaware, Newark-Delaware-USA. In 2010, Dão led the Quilombolasoul Trio during the largest street party in the world, the Carnival of Salvador. In the following year, he took a trip to Luanda that influenced him profoundly. From this enhancing experience in the motherland new songs and beats came up. During a concert in Luanda, Dão shared the stage with Wyza, a famous Angolan musician who represents Kilapaga music. In between trips during the year of 2011, Dão did three big concerts in Salvador. The first one took place in January when he played before Lenine at Concha Acústica of Castro Alves Theater, TCA, one of the biggest cultural spot in Salvador. This concert was sponsored by the project Petrobrás de Música. In September of the same year, Dão and Caravanablack played for a huge audience in the project “Música no Parque” sponsored by Oi and the government through the program Fazcultura. This concert was widely announced on the media. The audience really appreciated all of Dão's songs and surrended to the Black Music thus consolidating the work of this great artist in Bahia. In November of 2011, Dão was one of the main musical attractions of Afro XXI, a special Iberian-American summit of the “International Year of African Descendants”. Critics considered this concert simply as brilliant. The audience went into ecstasy at Tereza Batista square in Pelourinho, Historic Center of Salvador. 2012 started and all the Orixas made way for Dão and Caravanablack. After two successful concerts in the Historic Center of Salvador and a beautiful participation in the most important party of Ilê Aiyê in the Night of the Black Beauty, Dão led the Quilombolasoul Trio for the second time in the Carnival of Salvador. During this concert Dão shared the stage with two great attractions of the international music scenario; the New Yorker singer Stacie Aamon and the French DJ Rémy Kolpa Kopoul. Quilombolasoul project was supported by the Secretaria de Cultura da Bahia through the program “Carnaval Pipoca” in 2010 and 2012. By now, Dão has been preparing himself for his next tour, likewise he’s been focused on producing his next album.