Ile Fun Fun
Gig Seeker Pro

Ile Fun Fun

Salvador, Bahia, Brazil

Salvador, Bahia, Brazil
Band World World

Calendar

This band hasn't logged any future gigs

This band hasn't logged any past gigs

Music

Press



Considerada uma das cidades com a maior população negra do mundo, Salvador comemorou ontem com muita alegria mais um Dia da África. A extensa programação se espalhou por vários espaços da cidade, desde praças públicas, estações de ônibus e bibliotecas, apesar da chuva intensa no final da tarde. A que contou com a maior participação popular foi realizada na Estação de Transbordo do Iguatemi, onde a Fundação Gregório de Mattos apostou nas tradições religiosas de origem africana.

Enquanto o grupo Ilê Fun Fun apresentava a música que embala os ritos no Terreiro Ilê Axé Yá Nassô Oká (Casa Branca), os passageiros que aguardavam o transporte dividiam os olhares entre o ônibus que chegava e o forte impacto visual e musical dos atabaques e agogôs. “É emocionante ver nossa raiz ganhar todos os cantos da cidade”, observou o vendedor Afrânio Gonçalves.

Entre uma música e outra, os transeuntes ainda recebiam cópias da receita para se fazer o bolinho branco chamado de acaçá, típico da culinária afro-brasileira. Feito de milho branco, é o predileto de Oxalá, mas nas cerimônias religiosas é oferecido a todos os orixás em sinal de paz e harmonia. O público, a princípio intrigado com o doce servido em folhas de bananeira, aprovou a iguaria.

“É dos deuses mesmo, muito bom e com o gostinho da minha cor”, revelou o estudante negro Laércio de Jesus Souza. Em poucos minutos as dezenas de bolinhos foram devoradas e a boa receptividade foi comemorada pelo mestre Edvaldo Araújo, alabê da Casa Branca. “Se hoje eu estou feliz de estar neste local com nossos toques e nossa cultura, imagine nossos ancestrais que chegaram a esta terra e uma dia foram humilhados”, revelou Edvaldo. - Quilombos News


Situada na Avenida Vasco da Gama, a Casa Branca do Engenho Velho, ou Ilê Axé Iyá Nassô, foi tombada em 1984 e é considerada o primeiro Monumento Negro do Patrimônio Histórico do Brasil. Conta-se que a Casa Branca é a primeira casa de candomblé aberta em Salvador. Iya Nassô, uma das negras africanas fundadoras do terreiro, arrendou terras do Engenho Velho do Rio Vermelho de Baixo, estabelecendo aí o primeiro Terreiro de Candomblé. O Grupo Cultural Ilê FunFun é franco guadião dos ritos, dos toques, danças e cantos sagrados da cultura afro-brasileira. Fundado em 2001, por Edvaldo Araújo, alabê do Terreiro Ilê Axé Yá Nassô Oká (Casa Branca), o Ilê FunFun desenvolve ações sócio-culturais em Salvador e em outros estados, como uma escolinha no próprio terreiro da Casa Branca que ensina jovens e adolescente, toques, dança e culinária, com o objetivo de educar e tirar essas crianças das ruas, da marginalidade e das drogas, tendo sempre como meta preservar as raízes do Candomblé. - Fundação Gregório de Mattos


Discography

Trilhas Urbanas - Antologia Musical da Cidade de Salvador - Vol. 1

Trilhas Urbanas - Antologia Musical da Cidade de Salvador - Vol. 2

Trilhas Urbanas - Antologia Musical da Cidade de Salvador - Vol. 3

Trilhas Urbanas - Antologia Musical da Cidade de Salvador - Vol. 4

Trilhas Urbanas - Antologia Musical da Cidade de Salvador - Vol. 6

Trilhas Urbanas - Antologia Musical da Cidade de Salvador - Vol. 7

Photos

Bio

Situada na Avenida Vasco da Gama, a Casa Branca do Engenho Velho, ou Ilê Axé Iyá Nassô, foi tombada em 1984 e é considerada o primeiro Monumento Negro do Patrimônio Histórico do Brasil. Conta-se que a Casa Branca é a primeira casa de candomblé aberta em Salvador. Iya Nassô, uma das negras africanas fundadoras do terreiro, arrendou terras do Engenho Velho do Rio Vermelho de Baixo, estabelecendo aí o primeiro Terreiro de Candomblé. O Grupo Cultural Ilê FunFun é franco guadião dos ritos, dos toques, danças e cantos sagrados da cultura afro-brasileira. Fundado em 2001, por Edvaldo Araújo, alabê do Terreiro Ilê Axé Yá Nassô Oká (Casa Branca), o Ilê FunFun desenvolve ações sócio-culturais em Salvador e em outros estados, como uma escolinha no próprio terreiro da Casa Branca que ensina jovens e adolescente, toques, dança e culinária, com o objetivo de educar e tirar essas crianças das ruas, da marginalidade e das drogas, tendo sempre como meta preservar as raízes do Candomblé.