Jota Erre
Gig Seeker Pro

Jota Erre

São Paulo, São Paulo, Brazil | Established. Jan 01, 2011

São Paulo, São Paulo, Brazil
Established on Jan, 2011
Band World Pop

Calendar

This band hasn't logged any future gigs

This band hasn't logged any past gigs

Music

Press


"Blazing Baile Carioca"

Speaking of ears, are those jazz influences heard in Patuá Tronxo? That's not far-off, though they claim an allegiance to the drum 'n' bass tradition of Recife in northern Brazil where most of the band hails (except for Cali Ricky Sybrandy). Together, PT offers a stylish sound that suggests electronica but sounds like more, especially with Jota Erre's handsome vocals sliding nicely alongside strong instrumentals. - Belinda Acosta


"Um novo cancioneiro após a "morte da canção""

Um novo cancioneiro após a "morte da canção"



No último domingo (19), o caderno Vida & Arte Cultura lembrou uma frase polêmica dita por Chico Buarque em 2004. Vendo a chegada de uma nova geração de músicos ligados ao rap e ao hip-hop, o compositor carioca anunciou que a canção estava morrendo. Filho ilustre de uma geração que ajudou a consolidar o que hoje se considera “boa música” - e a sedimentar no imaginário brasileiro a sigla MPB -, a frase de Chico levantou uma discussão sobre que música o Brasil quer ou não ouvir, e sobre até que ponto estamos ligados às nossas raízes.


Felizmente, oito anos depois, a teoria do compositor de A Banda se mostrou errada. Mesmo que a indústria tenha mudado as regras, não faltam pessoas para reforçar o cancioneiro nacional. Um desses nomes é o carioca Pedro Moraes, que acaba de lançar no Brasil o seu disco de estreia Claroescuro. Com sua voz aveludada, ele cria xotes, afoxés e marchinhas que lembram algo de Gilberto Gil e Edu Lobo. E, pra mostrar que o futuro não é mais como era antigamente, ele ainda convida Alcione para um dueto na poética Zingareiro, e traz para seu tempo versões de Dora (Dorival Caymmi) e With a little help from my friends (Lennon/ McCartney), esta em ritmo de afoxé.


Outro que segue a “linha evolutiva” da música brasileira é Rodrigo Campos, autor de Bahia Fantástica. Recriando cenários, ele encarna um Dorival Caymmi cronista, até mesmo nas letras curtinhas. Juntando batuques e violões com guitarra, baixo e teclado, ele conta histórias de escravos, Iemanjá e figuras populares como um motorista de ônibus.


Bahia Fantástica vem depois de São Mateus não é tão longe assim e reforça os laços do cantor e compositor com a terra onde cresceu. Para ajudar nessa imersão soteropolitana, ele chamou um grupo de amigos como o rapper Criolo, que entoa um canto de escravos em Ribeirão.


Já Maurício Pessoa se aproxima do lado mais lírico da Bossa Nova e da MPB para criar o seu Habitat. Neste primeiro disco, o carioca apresenta dez canções próprias que trazem como ponto de ligação sua voz mansa guiada por um violão joãogilbertiano. Indo fundo no que há de mais tradicional, ele encontra no violão seu parceiro ideal em canções como a tristonha Prisma (um ponto alto do disco), ou o dramático instrumental Saudade. Soando mais balançado, Tulipa Turca é a canção que Chico Buarque por pouco não compôs. Assim como Tenho guardado em meu peito é quase um plágio de “Wave”, do mestre Tom Jobim.


Se não é pela sonoridade, Por extenso, do pernambucano Jota Erre, evoca os mestres na intenção. Como ele mesmo diz em “Bem no tom”, “bossa nova, tropicália fez todo mundo se render”. Buscando misturar urbanidade, modernidade e tradição, ele se volta para um Caetano tropicalista e faz um disco balançado, poético e cheio de bons momentos. “For you”, por exemplo, é uma bossinha sedutora, enquanto “Socorro” lembra os bons momentos de João Bosco.


Não, se voltar para o passado não significa falta de talento para apontar novos caminhos. Na verdade, trata-se apenas de reconhecer o valor do que já foi feito. Aliás, um passado importante que não deve ser esquecido.


- Jornal O Povo - Marcos Sampaio - Fortaleza Ceará


"Pra quem gosta"

Pra quem gosta

Percussionista de carreira, Jota Erre revela bela voz e musicalidade extensa no CD de estreia. De difícil rotulagem, por sinal, visto que o recifense abarca tanto a bossa nova (“For U”) quanto uma sonoridade mais universal (“Passagem”), mais ainda calcada em bons e abrasileirados arranjos. “Por Extenso”, Jota Erre. Tratore, preço não informado.
- A Notícia - RBS


"Jota Erre: Por Extenso"

Jota Erre: Por Extenso - Território da Música

23/8/2012 - 19h20

Jota Erre: Por Extenso
O músico Jota Erre lançou o seu primeiro disco solo, “Por Extenso”. O pernambucano, que já integrou a Grooveria Eletroacústica, gravou 13 canções - a maioria de Jessé Santo - nas quais canta. Em algumas, toca bateria, baixo e percussão.

O título “Por Extenso” não só faz referência ao nome de Jota, como também aponta a musicalidade de suas partituras, escritas em palavras, a exemplo da faixa “Contratempo”. Uma ótima poesia repleta de temas e combinações de notas e batidas... no contratempo.

A tendência segue na sequência, o samba “Bem No Tom”, que pode ser uma referência ao “Samba De Uma Nota Só” de Tom Jobim, ou não. Mas isso pouco importa. O álbum é uma obra genuína e coesa, mesmo com mistura de estilos musicais.

“Por Extenso” foi produzido e arranjado por Jota e Jessé, que gravou toda a parte de violão e ukulele. O trabalho expõe uma identidade criativa e até experimental, com camadas de guitarra e trombone entre arranjos acústicos.

A voz linear de Jota, pode tornar o álbum, mesmo com as rítmicas não-óbvias e letras reflexivas, sombrio e um pouco similar. Talvez a participação da cantora Dandara na faixa “For U” não devesse ficar tão para o final. Uma das melhores canções deste interessante álbum.
- Territorio Da Música - Katy Freitas


"Confira toda brasilidade do som do cantor Jota Erre"

O músico Jota Erre que já tocou com nomes como Badi Assad, Carlinhos Antunes e integrou a banda Grooveria Eletroacústica. Agora o cantor lança o primeiro CD solo da carreira: "Por Extenso". - Record News - Heródoto Barbeiro


"Um toque Universal"

Jota Erre desenvolve ideias do início de carreira em primeiro álbum solo


Percussionista, Jota Erre já tocou com Badi Assad e criou a banda Patuá Tronxo com Jessé Santo
Contratempo, no dicionário, pode ser um acontecimento desagradável ou imprevisto, ou ainda compasso musical apoiado no tempo fraco. Baterista, percussionista, cantor e compositor, o pernambucano Jota Erre usou bem o contratempo e outras variações dos tempos musicais para fazer de seu primeiro disco individual, Por extenso, um trabalho sem contratempos negativos para o ouvinte.


Ex-percussionista de uma das bandas mais bem resolvidas de nossos tempos, a Grooveria Eletroacústica, Ronaldo Rodrigues de Andrade Júnior é filho de músicos e se mudou para São Paulo quando atingiu a maioridade. Por lá trafega com naturalidade já há 10 anos, tocando com Badi Assad, Jair Oliveira, Sami Bordokan e Fanta Konate.



Jota Erre fez parte da Orquestra Mundana, de Carlinhos Antunes, e criou a banda Patuá Tronxo com o conterrâneo e amigo Jessé Santo. Produziu o CD Esse, de Jessé, que agora retribui o favor ao parceiro e ainda assume guitarra, ukulele e parte das composições.



Apoiados por uma banda que tem guitarras (Junior Gaz, Leonardo Mendes e Paulinho Malheiros), teclados (Marcelo Maita e André Lima), baixo (Duda Lima) e trombone (Paulinho Malheiros), além de uma providencial rabeca (Thomas Roher), eles constroem uma sonoridade quase circular, suingada, com levadas que chegam a ser repetitivas em alguns momentos, mas nunca entediantes.



A boa escolha de timbres, os arranjos que conduzem as melodias por soluções fluidas e o clima de brodagem quase ritualística que remete à própria Grooveria e a alguns momentos de Marku Ribas e outros transmissores de ritmo fazem de Por extenso um disco ao mesmo tempo brasileiro e universal. É um trabalho com tudo para funcionar bem na África, na Jamaica e em qualquer espaço ou tempo em que a maleabilidade seja elemento valorizado.



Entre as 13 faixas de valor equilibrado, merecem destaque o bom dueto com a cantora Dandara em For you, as quase tradicionais Tem samba e Bem no tom e o samba Contratempo. E vale a curiosidade de uma espécie de hino do baladeiro, Minhaeiro, com versos sugestivos como “no melhor dos sentidos/ os cinco são limitados”. E dá-lhe viagem!
- Jornal Estado De Minas - Kiko Ferreira


"Blazing Baile Carioca Mexican smackdown, Brazilian banging"

The Mexicans are coming! The Mexicans are coming! Sixteen bands from el otro lado and nine from South America – the largest contingent from Brazil – make this the biggest Latin-American presence at SXSW to date. A mix of vets and newbies, retro and modern, acts that make a glorious racket and others going for the easily digestible make this lineup especially bubbly.
Beautiful noisemakers: Los Llamarada of Monterrey have been "making an awful racket" since 2001. Their DIY approach delivers a dingy sound that's curiously exciting to ears dulled by music overdone by high tech magic. Check out "The Discovery." It's as familiar as mother's milk – scalded and thrown into your fat face! Division Minuscula bring their punkish sound, and if you're not blasted by the music, Javier Blake's achy vocals will keep you listening.If you're looking for some good, loud fun, turn to São Paulo's Debate, a flinty rock band that's as insistent as a car alarm at 3am. For those who don't like it so rough, check out fellow Brazilians Bonde do Role. Call them "funk carioca" or "baile funk"; both aptly describe their narcotic rhythms with metal influences. Lead singer Marina's bright vocal play adds just the right touch. Retro modern: Dublin-based Mexicanos Rodrigo y Gabriela intoxicate with their blazing guitar work pumped by Gabriela's rhythmic guitar drumming. Not just flamenco, not just folk, this duo is highly influenced by their shared passion for (wait for it ...) heavy metal, as well as classical Hispanic music. Many will compare them to the local Del Castillo brothers.
The one-man band known as the Mexican Institute of Sound (aka Camilo Lara) brings the bustle of Mexico City to life with his clever use of cumbia, cha-cha, electronica, nods to Esquivel, and even a bit of poetry from Mexico's finest writer, Juan Rulfo, thrown in to make you swoon. Those who love Michael Ramos' Charanga Cakewalk will recognize his south-of-the-border doppelgänger.
Brazilian Pierre Aderne's way-groovy bossa nova guitar licks are as smooth as a sweet mango on a parched tongue. His silky, masculine vocals flirting around the ear only add to the sensation that you're enjoying something extremely naughty. Speaking of ears, are those jazz influences heard in Patuá Tronxo? That's not far-off, though they claim an allegiance to the drum 'n' bass tradition of Recife in northern Brazil where most of the band hails (except for Cali Ricky Sybrandy). Together, PT offers a stylish sound that suggests electronica but sounds like more, especially with Jota Erre's handsome vocals sliding nicely alongside strong instrumentals.

Rodrigo y Gabriela
Pop rocks and others: It's easy to write off pop as frothy and empty-headed, but when alt-rockers Zoé from Mexico City get their hands on the form, they turn deceptively simple pop tunes and lyrics into something larger in the tradition of the Beatles. Their "Love" is as pleasing as a walk in the park, holding hands with a new love. Then, they make a U-ee with pulsing numbers like "Via Láctea." Seasoned players, Zoé cranks it out sweet or savory with enormous skill.
For a spirited good time here come the crunkers, Todosantos. Their influences are "friend chicken, sneakers, ghetto design, grills, girls, and friends." Their club music is all relentless, joyful thumps. Music snobs will call it nothing more than repetitious drivel. Lighten up. Since when is having a good time against the law? It's a safe bet these club heads from Venezuela will put on a good show. - BY BELINDA ACOSTA - The Austin Chronicle


"MINI FÓRUM SWU, DENTRO DA PROGRAMAÇÃO DO SETEMBRO VERDE, DEBATE ECONOMIA SOLIDÁRIA"

Música

Após o debate, às 21h, os participantes poderão curtir o som de Jota Erre, que vai apresentar seu mais novo trabalho “Jota Erre – Por Extenso”. Influenciado por diferentes estilos – que vão da raiz pernambucana ao experimentalismo de Bjork -, Jota Erre fala de temas pertinentes nas suas canções, como sustentabilidade e como conflitos urbanos.
- SWU


Discography

CD - Jota Erre - Por extenso - 2012

Photos

Bio

Conducting his own beat and keeping in mind its rhythmic formulas with unusual time signatures, Jota Erre brings new "Jota Erre - Por Extenso"

Having the starting point of all his creativity and unique voice to the expression of that feeling, primordial marks his work, the artist Jota Erre explores the facets of its sensitivity and lyricism in his first original work, "Jota Erre - Por Extenso ".

Nothing in it is abbreviated and superficial. The songs bring current issues such as sustainability and traditional conflicts in human relations. The rhythms, the music, and the melodies are easily perceived in the bowels of the songs. In addition, portray above all, "diversity". Diversity is composed by the look of an artist with roots in Pernambuco, which develops and becomes the cosmopolitan atmosphere of Sao Paulo and stroll allows for music and influence from all over the world.

Now, in "Por Extenso," Jesse Santo (guitar, vocals), Mauricio Caruso (guitar), Paulinho Malheiros (trombone), Thomas Hohrer (Rabeca), Joao Deogracias (bass), and Davi Gomes (drums) accompany lead singer and percussionist Jota Erre.

Jota Erre shows bold identity and clarity, we choose to follow the path toward what we are and what we believe. The album's title sums up its essence: we all have a responsibility to achieve human happiness itself no abbreviations, no lines. In full. “Por Extenso”

The style is new and his own, reminds us of who made history in Brazilian popular music ...

The disc with 13 tracks can refer the listener to feel a tour of new and distant places.

The references are from different parts of the world from Thom Yorke to Luiz Gonzaga - Jackson do Pandeiro Bjork - Mutemath - Midnite

From musicians family in Recife, to friends of music, in Sao Paulo,

Jota Erre began playing at night in Recife, Pernambuco, at 11 years of age, accompanied by his family, also musicians, with whom he learned the first chords. He studied at the Music Education Center of Olinda (CEMO), where he participated in several workshops.

At 21, he decided a change of air, according to Sao Paulo, where he created the band "Patua Tronxo" along with his great partner today, the composer Jesse Santo, and the producer and drummer Tuto Ferraz.

In 2005, he composed the group "Orquestra Mundana” created by multi-instrumentalist and historian, Carlinhos Antunes, presenting Brazil and France, alongside names such as Badi Assad and Sami Bordokan Fanta Konate. Although this project has recorded two CDs: "Mundana" and "Carlinhos Antunes and Orqhestra Mundana" (the latter live at SESC Pompeia).

Recorded the CD and DVD "Simples" in 2006, and the CD "Sambazz," four years later, from both singer and songwriter Jair Oliveira.

To 2010 Jota Erre was percussionist and singer musical collective "Grooveria Electroacustica," with which he recorded the CD and DVD "Avenida Brasil," in Sao Paulo nightclub called "Na Mata Cafe."

In the same year, Jota Erre produced the CD "Esse," Jesse Santo along with the artist as a drummer. The partnership and synergy between them is clear and an explicit form of musical creativity in abundance and composition of works of renewal.

In October 2012 releases his authorial project " Por Extenso " in Belo Horizonte . In April / 2013 it was the turn of Sao Paulo and in March / 2014 in Rio de Janeiro .

 Jota Erre just landed the European Tour of " Por Extenso " with shows that have passed through England, Portugal , Spain , besides the ones jams with artists who gave him musical travels, possible partnerships and amplification of their musicianship .

Band Members