Rita Ribeiro

Rita Ribeiro

BandWorldLatin

Rita Ribeiro is without doubt, the best interpreter of the MPB (Brazilian Popular Music) through fifteen years of career with four cds recorded. The best interpreter representing Brazil in recent times. Just listening to believe.

Biography

Rita Ribeiro was born in the Brazilian Northern state Maranhão and after living in the capital São Luís, where she started her career as a singer, emerged as outstanding performance in Brazilian music in 1996.

In 1997, already living in São Paulo, she recorded her first CD titled "Rita Ribeiro", produced by Mário Manga and Zeca Baleiro. The CD and the concert Rita Ribeiro, after performance in several Brazilian capitals, brought national recognition to this singer from Maranhão.

In 1998 she signed contract with MZA Music, recording company of producer Marco Mazzola, and still under guidance of maestro Mário Manga, launched in 1999 her second CD, "Pérolas aos Povos", receiving exceptional praise by both public and critics. In the same year, along with Ney Matogrosso, Milton Nascimento, Zeca Baleiro and Chico César, performed in the Brazilian night of the "Montreux Jazz Festival", Switzerland, and was invited to perform at the "Festival Brasil - Caracas" in Venezuela, achieving great international dimension in her musical career.

In 2000, following the launch and marketing of the CD "Pérolas aos Povos", Rita Ribeiro was invited to participate in the Festival "Todos os Cantos do Mundo", sharing the stage with Lokua Kanza, considered one of the great exponents of African Pop Music; and still in the same year, had her CD launched in the United States and Canada by the record company Putumayo World Music, resulting in the realization of a tour between August and September 2000, through the main American and Canadian cities, among them San Francisco, Los Angeles, Toronto and Montreal, to audiences of 15 thousand people.

The result of this enterprise led Rita Ribeiro to be nominated amongst the best in the world to the 43rd Grammy Awards, in the category Best Latin Pop Album, in February 2001.

Still in 2001, the singer launched her 3rd CD "COMIGO", produced by Marco Mazzola, co-produced by herself and her partner Pedro Mangabeira, and distributed by Abril Music record company.

But their popularity, always growing, even with the increased Tecnomacumba innovative, the result of an intervention that was in cultural poster for four years, and launched in 2006 by Manaxica seal products with distribution of the record label Biscoito Fino.

Recently, Rita Ribeiro premiered next to Jussara Silveira and Teresa Cristina, competed in the show praised “Three Girls from Brazil”, with musical direction of conductor Jaime Alem, and currently produces the repertoire of her new CD to be launched in 2008.

TECNOMACUMBA PROJECT
The music of the Brazilian cults

THE RESEARCH
Singer and composer Rita Ribeiro carried out research into music in popular religiousness throughout Brazil, especially in the state of Maranhão. In her wanderings she rescued some chants and researched the repertoire of great Brazilian composers – such as Jorge Benjor, Gilberto Gil, Caetano Veloso, Dorival Caymmi, among others – who also work with those references.
She noticed that Brazilian Popular Music bears strong influence of the rhythms of African-Brazilian origin. She also realized that in ritual manifestations, music and dance are important elements in channeling energies, bringing people closer to sacredness.

OBJECTIVES OF THE PROJECT
1. To highlight the strong musicality in Brazilian cults of African and Indigenous origins;
2. To present to the public a repertoire of songs done by great names of Brazilian music, inspired by the popular religiousness of Brazilians and gathered from popular chants, songs of public domain;
3. To foster, in culture, practices that absorb all differences of race and creed;
4. To promote joyful and festive entertainment, where music and dance are understood as forces of transformation.

THE IDEA
The Tecnomacumba project was devised by singer Rita Ribeiro, and it strives to bring songs by great names of Brazilian Music to the pop-electronic universe, revering the strength of sacredness in the everyday lives of people throughout several parts of Brazil.

Thus, the project seeks to present chants that reveal orixás (mythical deities in Brazilian Candomblé), caboclos (ancient indigenous ancestors) and catholic saints that are present in the imagery and practices of this Brazilian religiousness, using technology as a musical tool and highlighting their aesthetic pattern.

THE EXPERIENCE
Rita Ribeiro first experimented with this universe when she recorded in her first CD the chant of Cabocla Jurema, evincing in the musical arrangement the encounter of "Mata" and "Crioula" drums – common in the popular culture of Maranhão – with electronic beats.
Since then, the singer carried on with her research, trying out new approaches with the respect she always devoted to traditions, which resulted in this project that is capable of bringing the strength of these chants and mantras into the universe of electronic music. It is a joyful and pleasant project.

THE CONCERT
In Tecnomacumba, the

Lyrics

Contra o Tempo

Written By: Vander Lee

Corro contra o tempo pra te ver
Eu vivo louco por querer você
Morro de saudade, a culpa é sua

Bares ruas estradas desertos luas
Que atravesso em noites nuas
Só me levam pra onde está você

O vento que sopra meu rosto cega
Só o seu calor me leva
Numa estrela pra lembrança sua

O que sou, onde vou, tudo em vão...
Tempo de silêncio e solidão

O mundo gira sempre em seu sentido
Tem a cor do seu vestido azul
Todo atalho finda em seu sorriso nu

Na madrugada uma balada soul
Um som assim meio que rock in roll
Só me serve pra lembrar você

Qualquer canção que eu faça tem sua cara
Rima rica, jóia rara
Tempestade louca no Saara.

O que sou, onde vou, tudo em vão...
Tempo de silêncio e solidão

Pérolas aos Povos

Written By: Isla Jay e Natalia Mallo

Leite, leite, leite, leite, leite, leite, leite.
Leite, leite, leite, leite, leite, leite, leite.
Nem só de linho vive o homem
Nem só de linha vive o trem
Depende muito de quem come
Depende muito de quem tem
Leite, leite, leite, leite, leite, leite, leite
Nem só de vinho vive o pão
Nem só de carne o espírito
Depende muito do ladrão
Depende muito do veredito
Leite, leite, leite, leite, leite, leite, leite
Pérolas aos povos virão
Pérolas aos povos
Como lei, como lei,
Como lei, como lei
Como lei
Como
Leite, leite, leite, leite, leite, leite, leite

Cocada

Written By: Antonio Vieira

Intro: C Dm C

C7M
Ai meu Deus se eu pudesse
Eu abria um buraco
Dm7
Metia os pés dentro criava raiz
Virava coqueiro trepava em mim mesmo
C7M
Colhia meus côcos meus frutos feliz
Gm7
Ralava eles todos com cravo e azeite
C7 F7M
E punha no tacho pra fazer cocada
Bb7(9) Em7
Depois convidava morenas e loiras
A7 D7 G7 C7M
Mulatas e negras pra dá uma provada
C7M Dm7 C7M
Depois satisfeito de tanta dentada
Dm7
Na boca de todas eu me derretia
Aí novamente eu abria um buraco
C7M
Metia os pés dentro com toda alegria
Gm7
Virava coqueiro trepava em mim mesmo
C7 F7M
Colhia meus côcos fazia tachada
Bb7(9) Em7
Com cravo e açúcar ficava roxinho
A7 D7 G7 C7M
Ficava doidinho pra ser mais cocada
Dm7
Côco, côco, cocada, Côco, côco, cocada,
C7M
Côco, côco, cocada, Côco, côco, cocada,
Ai meu Deus se eu pudesse...
Depois satisfeito de tanta dentada...
Dm7
Côco, côco, cocada, cocada pra sinhô, cocada pra sinhá
C7M

Domingo 23

Written By: Jorge Benjor

É dia de Jorge
É dia dele passear
Dele passear
No seu cavalo branco
Pelo mundo prá ver
Como é que tá
De armadura e capa
Espada forjada em ouro
Gesto nobre
Olhar sereno
De cavaleiro, guerreiro justiceiro
Imbatível ao extremo
Assim é Jorge
E salve Jorge viva viva viva Jorge
Pois com sua sabedoria e coragem
Mostrou que com uma rosa
E o cantar de um passarinho
Nunca nesse mundo se está sozinho
E salve Jorge
E salve Jorge
Domingo 23
É dia de Jorge
É dia dele passear
No seu cavalo branco
Pelo mundo prá ver
Como é que tá
De armadura e capa
Espada forjada em ouro
Gesto nobre
Olhar sereno
De cavaleiro, guerreiro justiceiro
Assim é Jorge
E salve Jorge viva viva viva Jorge
Pois com sua sabedoria e coragem
Mostrou que com uma rosa
E o cantar de um passarinho
Nunca nesse mundo se está sozinho

Há Mulheres

Written By: Vânia Borges

C F7
Há mulheres que se pintam de caulim
Dm7 G7
na costa do marfim
C
para o deus louvar
F7 Dm7
Eu também me pinto para o luar, em mim,
G7 C
a prata derramar
C F7 Dm7 G7
Oh! Musa da inspiração!
C F7 Dm7 G7
Oh! Musa da inspiração!
C F7 Dm7 G7
Oh! Musa da inspiração!
F G
Caia sobre mim este céu sem fim
F G

Pé do Lajeiro

Written By: : João do Vale/ José Candido/ Paulo Bangu

ah! Eu vou dar uma volta
lá na mata do sapé
onde mora o papa-mé
o furão e a caipora
que o gato fora de hora
faz visita no poleiro
é no pé do lajeiro
aonde a onça mora
mas inté minha noiva viu
a carreira que eu levei
nos caminho que eu passei
quase morro de gritar
pois a danada com mania de valente
veio inté o meu terreiro
pra mode me envergonhar
é no pé do lajeiro
aonde a onça mora
ah! eu vou pegar a carabina
eu vou calçado de botina
pra cobra não me morder
que não é de hoje nem é de ontem
que o bicho vem no terreiro
pra mode me envergonhar
mas hoje em dia
quem pode ter na certeza
nem que peça a baronesa
que hoje eu lhe matar
é no pé do lajeiro
aonde a onça mora

Cavaleiro de Aruanda

Written By: Tony Osanah

Quem é o cavaleiro que vem lá de Aruanda
É Oxóssi em seu cavalo com seu chapéu de banda
(2x)

Quem é esse cacique glorioso e guerreiro
Vem montado em seu cavalo descer no meu terreiro

Vem de Aruanda uê
Vem de Aruanda uá
(3x)

Ele é filho do verde, ele é filho da mata
Saravá, Nossa Senhora, a sua flecha amada

Vem de Aruanda uê
Vem de Aruanda uá

Oração Ao Tempo

Written By: Caetano Veloso

És um senhor tão bonito quanto a cara do meu filho
Tempo, tempo, tempo, tempo, vou te fazer um pedido
Tempo, tempo, tempo, tempo
Compositor de destinos, tambor de todos os ritmos
Tempo, tempo, tempo, tempo entro num acordo contigo
Tempo, tempo, tempo, tempo
Por seres tão inventivo e pareceres contínuo
Tempo, tempo, tempo, tempo és um dos deuses mais lindos
Tempo, tempo, tempo, tempo
Que sejas ainda mais vivo no som do meu estribilho
Tempo, tempo, tempo, tempo ouve bem o que te digo
Tempo, tempo, tempo, tempo
Peço-te o prazer legítimo e o movimento preciso
Tempo, tempo, tempo, tempo quando o tempo for propício
Tempo, tempo, tempo, tempo

De modo que o meu espírito ganhe um brilho definido
Tempo, tempo, tempo, tempo e eu espalhe benefícios
Tempo, tempo, tempo, tempo
O que usaremos pra isso fica guardado em sigilo
Tempo, tempo, tempo, tempo apenas contigo e migo
Tempo, tempo, tempo, tempo
E quando eu tiver saído para fora do círculo
Tempo, tempo, tempo, tempo não serei nem terás sido
Tempo, tempo, tempo, tempo
Ainda assim acredito ser possível reunirmo-nos
Tempo, tempo, tempo, tempo num outro nível de vínculo
Tempo, tempo, tempo, tempo
Portanto peço-te aquilo e te ofereço elogios
Tempo, tempo, tempo, tempo nas rimas do meu estilo
Tempo, tempo, tempo, tempo

Românticos

Written By: Vander Lee

Românticos são poucos
Românticos são loucos desvairados
Que querem ser o outro
Que pensam que o outro é o paraíso

Românticos são lindos
Românticos são limpos e pirados
Que choram com baladas
Que amam sem vergonha e sem juízo

São tipos populares que vivem pelos bares
E mesmo certo vão pedir perdão
E passam a noite em claro

Conhecem o gosto raro
De amar sem medo de outra desilusão
(Romântico é uma espécie em extinção)

Comigo

Written By: Zeca Baleiro

Você vai comigo aonde eu for
Você vai bem se vem comigo
Serei teu amigo e teu bem
Fica bem mas fica só comigo

Você vai comigo aonde eu for
Você vai bem se vem comigo
Serei teu amigo e teu bem
Fica bem mas fica só comigo

Quando o sol se vai a lua amarela
Fica colada no céu
Cheio de estrelas
Se essa lua fosse minha
Ninguém chegava perto dela
A não ser eu e você
Eu pagava pra ver
Nós dois num cavalo de Ogun
Nós juntos parecendo um

Na lua, na rua, na nasa, em casa
Brasa da boca de um dragão

Você vai comigo aonde eu for
Você vai bem se vem comigo
Serei teu amigo e teu bem
Fica bem mas fica só comigo

Mas fica só comigo...

Quando o sol se vai a lua amarela
Fica colada no céu
Cheio de estrelas
Se essa lua fosse minha
Ninguém chegava perto dela
A não ser eu e você
Eu pagava pra ver
Nós dois num cavalo de Ogun
Nós juntos parecendo um

Na lua, na rua, na nasa, em casa
Brasa da boca de um dragão

Na lua, na rua, na nasa, em casa
Brasa da boca de um dragão

Na lua, na rua, na nasa, em casa
Brasa da boca de um dragão

Mambo da Dor

Written By: Zeca Baleiro

Ai
Como dizia meu pai
A dor é mãe
E como dói
Alma ensanguentada em hanói
Farinha que a amargura mói
Pena que envenena e destrói
Ai
Como dizia meu pai
A dor é mãe
E como dói
Choro que o coração remói
Bala no coração do caubói
Traça que tudo ameaça e rói
Tremor febre frio
Suor arrepio
Corte tapa tiro
Só dói se respiro
O mal que magoa
O fel que amarga
Ai dor não me doa
Vê se me larga

Banho Cheiroso

Written By: Antonio Vieira

Você deve tomar banho cheiroso
Prá acabar com essa mofina
E o corpo ficar jeitoso
Você sente uma moleza
Sem ter doença nenhuma
Tem a vida atrapalhada
Não consegue coisa alguma
Então ouça o meu conselho
Ele é muito valoroso
Pois não perca mais seu tempo
E tome banho cheiroso
Você deve tomar
Banho cheiroso
Prá acabar com essa mofina
E o corpo ficar jeitoso
Ele é feito de tipy
Pau de angola e puxuri
Leva trevo de mulata
E também patchouli
Jardineira, pataqueira
E também manjericão
Leva rosa todo ano
Amoníaco e açafrão.
Você deve tomar banho cheiroso
Prá acabar com essa mofina
E o corpo ficar jeitoso

Pensar em Você

Written By: Chico César

É só pensar em você
Que muda o dia
Minha alegria dá prá ver
Não dá prá esconder
Nem quero pensar
Se é certo querer
O que vou lhe dizer
Um beijo seu e eu vou só
Pensar em você
Se a chuva cai
E o sol não sai
Penso em você
Vontade de viver mais
E em paz com o mundo
E comigo
E consigo

É D'Oxum

Written By: Gerônimo/ Vevé Calasans

Nessa cidade todo mundo é d’Oxum
Homem, menino, menina, mulher
Toda a cidade irradia magia
Presente na água doce
Presente na água salgada
E toda a cidade brilha
Seja tenente ou filho de pescador
Ou importante desembargador
Se der presente é tudo uma coisa só
A força que mora n’água
Não faz distinção de cor
E toda a cidade é d’Oxum
É d’Oxum
É d’Oxum
Eu vou navegar
Eu vou navegar nas ondas do mar
Eu vou navegar nas ondas do mar

Discography

1997 - RITA RIBEIRO
1999 - PÉROLAS AOS POVOS
2001 - COMIGO
2006 - TECNOMACUMBA

Set List

Contra O Tempo
Pérolas Aos Povos
Cocada
Domingo 23
Há Mulheres
Pé Do Lajeiro
Cavaleiro De Aruanda
Oração Ao Tempo
Românticos
Comigo
Mambo Da Dor
Banho Cheiroso
Pensar Em Você...amog others to be define.